ACCS - Associação Catarinense de Criadores de Suínos

Notícias


USDA prevê aumento de 4% na produção mundial de carne suína em 2021

De acordo com relatório do Departamento, produção na China deve subir 9%

15/10/2020 às 08h52
Atualizada em 15/10/2020 - 08h56


A produção global de carne suína, segundo o relatório de análise de mercado global do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) deve aumentar em 4% em 2021. A recuperação da produção nos países afetados pela peste suína africana (PSA) e, em menor grau, pela recuperação dos impactos do Covid-19 devem influenciar neste avanço.
 
No Brasil, a produção está estimada em quase 4% devido à recuperação da carne suína doméstica consumo e demanda de exportação relativamente resiliente, auxiliada por um real fraco.
 
No caso da China, principal país afetado pela PSA, o crescimento na produção de carne suína é previsto em 9%, à medida que os suinocultores reconstroem rapidamente seus planteis e aproveitam preços elevados do suíno. No entanto, com 41,5 milhões de toneladas, a produção ainda é quase 25% inferior aos níveis anteriores à doença, em meados de 2018.
 
Segundo o USDA, a recuperação da PSA também está impulsionando o crescimento da produção no Vietnã e nas Filipinas, embora surtos continuem a ocorrer neste último país, o que pode desafiar os esforços de reconstrução.
 
Na União Europeia (UE), a produção aumentou marginalmente com níveis estáveis de rebanho e crescimento da produtividade. A descoberta da PSA em javalis da Alemanha não deve impactar a produção diretamente, segundo o Departamento, mas as restrições à exportação resultarão em maior oferta de carne suína alemã em um mercado já saturado da UE. Isso, aliado à fraca demanda doméstica e desaceleração da demanda da China, deve reduzir os preços no próximo ano.
 
EXPORTAÇÕES
 
As exportações globais devem ficar estáveis em 10,8 milhões de toneladas em 2021. Espera-se uma demanda global de carne suína para se recuperar de Covid-19 na melhoria das condições econômicas e recuperação do setor de food service. No entanto, a desaceleração da demanda do maior importador - a China - compensa o crescimento do restante do mundo.
 
Após um ritmo aquecido em 2020, as importações de carne suína da China devem cair 6% devido a recuperação da produção nacional. Outros grandes importadores de carne suína, incluindo México, Filipinas, Japão, Coreia e Estados Unidos têm projeções mais altas, mas esses países combinados respondem por menos comércio do que a China sozinha.

Fonte: Notícias Agrícolas



SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR


* Fique tranquilo que ele não será exibido junto ao comentário.







Veja Também









Parceiros

SINCOL S/A INDUSTRIA E COMÉRCIO
(49) 3561-5000
(49) 98809-7488
SICOOB CREDIAUC
49 34411300
MAGNANI - IMPLEMENTOS PARA SUINOCULTURA
49 3452 2266
AGROCERES PIC - GENÉTICA DE SUÍNOS
(19) 3526-8580
G&S AGRO INFORMÁTICA
49 3566-4381
Sky Sollaris
(49) 3442-0072
(49) 99912-8000
COASC
49 3442 6158
49 8835 0275
TOPGEN
(43)3535-1432
DB GENÉTICA SUÍNA
(34) 3818-2500
EQUITTEC
(54) 3442-5666

Newsletter

Fique por dentro das novidades.

Novidades no Whatsapp