ACCS - Associação Catarinense de Criadores de Suínos

Notícias


Indústria dos EUA quer acabar com o uso da ractopamina

Objetivo é entrar no mercado chinês com mais força, diz imprensa internacional

24/02/2020 às 09h29


Esta semana, Hormel se tornou o segundo maior processador de carne dos EUA a eliminar progressivamente uma droga controversa que, há anos, é utilizada em seus suínos para fazê-los crescer mais e mais magros com mais rapidez. É parte de uma rejeição contínua de medicamentos promotores de crescimento: o anúncio da sexta maior empresa global de carnes seguiu similares pela Tyson Foods e pela JBS, com sede no Brasil, em outubro de 2019.
 
Mas os produtores de carne suína não estão descartando a droga, a ractopamina, porque demonstrou aumentar o estresse e a ansiedade nos porcos. Eles não estão fazendo isso porque o aditivo alimentar também danificou seus tecidos. Eles estão fazendo isso por causa da peste suína.
 
Nos últimos três meses, a indústria suína chinesa lutou contra a disseminação devastadora da peste suína africana, um vírus altamente contagioso que destruiu mais de um terço da população suína da China. Os preços da carne de porco dispararam 110%, dando às empresas estrangeiras a chance de expandir sua presença na segunda maior economia do mundo.
 
O problema: o governo chinês só permite importações de carne suína dos EUA, desde que a ractopamina não esteja envolvida no processo agrícola.
 
A ractopamina pertence a uma classe de medicamentos agonistas beta que foram desenvolvidos originalmente para tratar pessoas com asma, relaxando e alargando os músculos das vias aéreas para facilitar a respiração. Hoje, os humanos não são prescritos com ractopamina. Mas empresas farmacêuticas como a Elanco a fabricam para uso em animais de fazenda, observando sua capacidade de promover um crescimento rápido. Estima-se que cerca de 72% do suprimento de carne suína dos EUA seja alimentado com aditivos de ractopamina .
 
A maioria do mundo tem reservas quanto ao uso da droga: com o tempo, 160 países proibiram seu uso na pecuária. Em doses elevadas, demonstrou-se que a ractopamina causa problemas de saúde em animais, incluindo batimentos cardíacos mais altos e altos níveis de catecolamina, um hormônio produzido quando um animal sente estresse - os quais podem dificultar seu manuseio.
 
Entre os destaques estão os EUA, Canadá, Nova Zelândia e 24 outros países, afirmando que a carne de animais alimentados com ractopamina é segura para comer.
 
Vários grupos de defesa da segurança alimentar dos EUA pressionam há muito tempo para acabar com o uso dos medicamentos no suprimento de carne. "O resultado final dos seres humanos e da ractopamina é qualquer coisa que mude tanto o comportamento de um animal ou o corpo físico, provavelmente com muita cautela que você deve evitá-lo em primeiro lugar", diz Jaydee Hanson, diretor de política para o Centro de Segurança Alimentar.
 
O fato de as empresas de carne estarem decidindo desistir do promotor de crescimento é uma indicação de como os processadores de carne de porco dos EUA estão com fome para entrar no mercado chinês e quanto eles ganham com isso.
 
"Estamos monitorando ativamente a dinâmica da mudança do mercado global há vários anos e acreditamos que essa decisão nos posicionará ainda mais para atender à crescente demanda internacional", disse Hormel à Reuters. A perspectiva de porcos menos estressados ​​é apenas um efeito colateral feliz.

Fonte: qz.com



SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR


* Fique tranquilo que ele não será exibido junto ao comentário.







Veja Também









Parceiros

SICOOB CREDIAUC
49 34411300
G&S AGRO INFORMÁTICA
49 3566-4381
AGROCERES PIC - GENÉTICA DE SUÍNOS
(19) 3526-8580
PEROZIN INDÚSTRIA METALÚRGICA
(49) 3442-1466
SINCOL S/A INDUSTRIA E COMÉRCIO
(49) 3561-5000
(49) 98809-7488
DB GENÉTICA SUÍNA
34 3818 2500
COASC
49 3442 6158
49 8835 0275
TOPGEN
(43)3535-1432
EQUITTEC
(54) 3442-5666
Sky Sollaris
(49) 3442-0072
(49) 99912-8000

Newsletter

Fique por dentro das novidades.

Novidades no Whatsapp