Suíno Preço Base
Cooper Central Aurora: R$ 2,80
Pamplona: R$ 2,80
BRF (Sadia/Perdigão): R$ 3,00
JBS Foods: R$ 2,90
+ Bonificação de Carcaça (Média da Bonificação 10%)

Ver Histórico

Bolsa de Suínos
Santa Catarina: R$ 3,55
São Paulo: R$ 4,00
Minas Gerais: R$ 4,00
Paraná: R$ 3,75

Ver Histórico

Mercado de Grãos - Santa Catarina
Milho: R$ 45,90 (Referência Copérdia)
Farelo de Soja: R$ 1,59

Ver Histórico

 
Links da Suinocultura
ABCS
ABPA
CANAL RURAL
CEPEA
CIDASC
CNA
EMBRAPA
FAESC SENAR/SC
FATMA
MAPA
MDIC
NOTÍCIAS AGRÍCOLAS
O PRESENTE RURAL
PÁGINA RURAL
PORKWORLD
SAFRAS & MERCADO
SEC. DA AGRICULTURA
SUINO.COM
SUINOCULTURA INDUSTRIAL
TERRA VIVA
 
ou data:
NOTÍCIAS DE MERCADO
27/04/2018 às 7h59
ALERTA: Crise na suinocultura
Suinocultores desistem da produção diante de escassez e preço alto do milho
Compartilhe esta notícia:


Foto: Diário Catarinense

A seca na Argentina, que deve provocar uma quebra na safra de grãos de até 30% neste ano, tem gerado efeito cascata que afeta a produção de aves e suínos em Santa Catarina. A principal causa é a escassez de milho no mercado, que provoca aumento de preços e custos mais elevados para os produtores de porcos e frangos. De acordo com o vice-presidente da Federação da Agricultura de Santa Catarina (Faesc), Enori Barbieri, o preço do milho tem oscilado muito nos últimos anos. Em 2016, houve escassez do produto, jogando o preço para cima. No ano seguinte, com mais gente plantando, ocorreu uma supersafra, o que fez com que o valor da saca despencasse. Dessa maneira, neste ano, a área plantada em Santa Catarina diminuiu consideravelmente, o que fará com que a quantidade colhida seja menor.
 
É nesse contexto que a seca argentina contribui para o aumento dos preços. Somando-se o fator especulativo e as deficiências logísticas, tem-se uma espiral negativa para a agroindústria.
 
– O milho é um insumo básico para granjeiros e suinocultores. E o preço tem subido muito. Não podemos trazer milho dos Estados Unidos, o maior exportador do mundo, por falta de licenças, já que eles produzem transgênicos – afirma Barbieri.
 
 Busca por subsídios com o governo federal
 
As dificuldades encontradas pelos produtores, todavia, não provocam aumento de preço ao consumidor final. Isso devido às restrições às exportações brasileiras, como no caso da carne suína para a Rússia e aves para a União Europeia. O excesso dos produtos no país tem feito os preços caírem, ao mesmo tempo em que os custos crescem aos produtores.
 
– Há um excesso de produção de proteína animal. Muitas agroindústrias estão anunciando férias coletivas – informa Barbieri.
 
No início do mês, representantes do setor se reuniram com o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi, para sugerir que o governo ajude a trazer parte do estoque de milho do Mato Grosso para o Sul do Brasil de forma subsidiada, pagando os fretes. Até o momento, no entanto, o governo federal não confirmou o auxílio.
 
Segundo Barbieri, o país tem, além da falta de infraestrutura, outro problema estrutural que precisa ser combatido: a falta de capacidade de armazenamento. China e Estados Unidos podem estocar até um ano de produção de milho, mas no Brasil a quantidade é muito reduzida e o produtor precisa vender rapidamente o que é colhido.
 
Enquanto avicultores e suinocultores passam por momentos complicados, a situação é mais favorável para quem decidiu cultivar milho ou tem o produto armazenado. A convergência de fatores tem feito os preços subirem acima do esperado.
 
– Quem plantou milho e não vendeu, não esperava ter esse ganho. Esse aumento faz com que o milho volte a ser uma cultura atrativa – diz Barbieri.
 
Félix Muraro Junior, na sala cheia de troféus da propriedade iniciada pelo avô: a Granja São Roque, em Chapecó, deixará de criar suínos devido ao alto preço do milho Foto: Tarla Wolski / Especial
Produtor desiste de criar suínos após nova crise
 
A partir desta semana, nenhuma fêmea de suínos da Granja São Roque, em Chapecó, será inseminada novamente, o que dará início ao fim da criação de suínos. 
 
Até outubro, a produção, que iniciou em 1972, será encerrada. O motivo é a falta de rentabilidade da atividade, que sofre com o baixo preço provocado pelo embargo russo, aliado ao aumento de custos causado pela falta de milho em Santa Catarina. A situação é agravada por uma quebra na produção na Argentina, que fez o preço do cereal subir mais de 30% em dois meses.
 
– Hoje, o produtor entrega o porco gordo, que é um alimento, e mais uma nota de R$ 50, que é o prejuízo entre o custo e o valor pago pelo suíno – explica Félix Muraro Júnior, um dos donos da granja.
 
Ele afirma que, em janeiro, sobrou R$ 2 mil da atividade, em fevereiro sobrou R$ 1 mil e, em março, as contas indicaram prejuízo. Isso que o faturamento da suinocultura é de R$ 86 mil e Félix produz o milho consumido pelos animais, o que diminui os custos:
 
– Se fosse vender o milho que os suínos consumiram, ganharia R$ 40 mil, o que representa mais de R$ 3 mil por mês que deixo de ganhar. Mostrei os números aos familiares e decidimos que não dava para continuar. 
 
O fechamento da Granja São Roque é simbólico. Era uma das propriedades mais premiadas do Estado, com troféus espalhados pelo escritório. O avô de Félix, Clair Dariva, foi presidente da Associação Catarinense dos Criadores de Suínos e vice-presidente da associação brasileira. Com a saúde frágil de Dariva, Félix assumiu a administração há cinco anos. E viu a atividade decair.
 
– Meu avô ganhou muito dinheiro com suíno no passado, mas antes tinha um ciclo ruim e depois dava um bom lucro. Agora, não acontece mais isso. Meu avô chegou a lacrimejar com a decisão, mas acabou entendendo – afirma Félix, que guarda o quadro de Dariva na parede do escritório, com os antigos troféus da suinocultura, e os novos troféus da criação de gado de leite.
 
Aliás, a produção de milho e até dois funcionários devem ser deslocados para aumentar a produção de leite, de 70 mil litros por mês para 100 mil. Mesmo assim, três serão demitidos. E os barracões dos suínos serão alugados.
 
O presidente da Associação Catarinense dos Criadores de Suínos, Losivânio de Lorenzi, afirma que na região de Concórdia há mais dois desistindo da atividade:
 
– Quem sofre mais é o produtor independente. Tem gente com R$ 120 de prejuízo por suíno, alguns pegam empréstimo no banco, outros vendem alguma coisa. Tem que se virar na esperança de que a situação melhore.
 
Especulação eleva preços e gera busca por opções
 
A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) até ofereceu milho aos criadores, mas devido à burocracia apenas 50 conseguiram acessar o produto até agora.
 
O diretor-executivo do Sindicato das Indústrias de Carnes e Derivados (Sindicarne), Ricardo Gouvêa, avalia que, com a queda na exportações e o preço do milho a mais de R$ 40 para os criadores, a situação fica economicamente inviável.
 
– Com esse nível de preço de milho, algumas empresas pequenas e o produtor independente não vão sobreviver – avalia Gouvêa.
 
Ele considera haver uma especulação de mercado: quem tem o produto, não vende, esperando o preço subir. De acordo com o analista do Centro de Socieconomia e Planejamento Agrícola da Epagri, Haroldo Tavares Elias, o avanço da área de soja e do milho para silagem reduziu a oferta de grão e aumentou o déficit do cereal, que deve chegar a 4 milhões de toneladas neste ano.
 
Além disso, a quebra de safra na Argentina contribui para a elevação dos preços. No entanto, ele considera que o preço do milho deveria ter menos oscilação:
 
– Não era para o milho subir tanto, pois a Conab tem estoques de passagem de 15 milhões de toneladas e a safra brasileira, mesmo com exportação, é suficiente para atender a demanda. Há uma queda de braço entre quem tem o milho para vender e quem precisa comprar.
 
Elias afirma que a tendência é o cenário melhorar nos próximos meses, se confirmar uma boa produção na segunda safra de milho, principalmente do Centro-Oeste brasileiro. Além disso, as medidas tomadas pelas agroindústrias, como as férias coletivas anunciadas pela BRF em Capinzal e pela Aurora em Abelardo Luz, diminuem a demanda por milho.
 
A Seara Alimentos também está importando 60 mil toneladas de milho da Argentina e as agroindústrias cogitam comprar milho dos Estados Unidos. Isso porque, no momento, o cereal está mais caro aqui do que na América do Norte. Em maio, também inicia a safra do Paraguai e ao longo do mês deve ser viabilizada uma rota para trazer o produto via Dionísio Cerqueira.
 
O governo do Estado tem investido cerca de R$ 50 milhões por ano em subsídios de calcário e sementes para estimular o plantio de milho. Mesmo assim, a soja tem sido mais atrativa pelo custo menor de produção e maior rentabilidade. Somente nesta safra, houve redução de 14% na área plantada e 20% na produção, que ficará em 2,5 milhões de toneladas, para um consumo de 6,5 milhões de toneladas.
 
Rota do Milho do Paraguai, mais armazéns, ferrovias e uso de outros produtos na ração são algumas das alternativas para amenizar a dependência do milho em Santa Catarina e evitar que mais produtores abandonem a atividade.

Fonte: Diário Catarinense
 
Comentário
 
      Nenhum comentário para esta notícia!
Deixe seu Comentário para a notícia "ALERTA: Crise na suinocultura"
(*) - Todos os campos são de preenchimento obrigatório.
Seu Nome*:
Seu E-mail*:
(o email não será publicado)
Cidade*:
Estado*:
Comentário*:
  500 caracteres restantes.
Eu li e aceito as regras de publicação de comentários. VER REGRAS

VEJA TAMBÉM - Outras Notícias da Categoria NOTÍCIAS DE MERCADO
11/10/2018 - Datafolha mostra Bolsonaro com 16 pontos sobre Haddad
O candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, tem 58 por cento dos votos válidos para o segundo turno da eleição presidencial...
11/10/2018 - FPA ratifica apoio a Bolsonaro no segundo turno e entrega pauta prioritária do setor
A Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) se reuniu nesta quarta-feira (10), no Rio de Janeiro, com o candidato à Presidência...
10/10/2018 - Funrural: Votação de MP que prorroga prazo para adesão ao PRR fica para esta quarta-feira(10)
Em vídeo distribuído nas redes sociais, o deputado Jerônimo Goergen (PP-RS) explicou que por falta de quórum no Senado, a votação...
10/10/2018 - SRB: renovação do Congresso pode ampliar bancada da agropecuária
A Sociedade Rural Brasileira (SRB) considera que a alta taxa de renovação no Congresso Nacional pode fortalecer e ampliar a...
10/10/2018 - JBS investe 45 milhões e amplia produção para mercado chinês
A JBS investiu R$ 45 milhões na ampliação das plantas localizadas nas cidades mineiras de Iturama e Ituiutaba e vai dobrar a...
09/10/2018 - Aliada a Bolsonaro, Frente Parlamentar da Agropecuária reelege 52% de seus membros na Câmara
Fiel da balança durante os últimos dois governos, a Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) terá de se reinventar para manter o...
08/10/2018 - Nem aliança de centro-esquerda derrota Bolsonaro, dizem analistas
Para o candidato Fernando Haddad (PT), não será suficiente criar uma grande aliança democrática, aglutinando partidos de...
08/10/2018 - Senado se prepara para debater MP de renegociação de dívidas rurais
No próximo dia 9, terça-feira, está na pauta do Senado Federal a Medida Provisória (842/2018) que trata da renegociação de dívidas...
08/10/2018 - Peste Suína Africana tem impacto no comércio da União Europeia
A Peste Suína Africana pode ter um efeito imediato sobre o comércio de carnes, como ocorreu recentemente com os casos na Bélgica....
04/10/2018 - Consumo de carne suína dos brasileiros tem potencial de crescimento
 
 
Rua do Comércio, nº 655
Centro, Concórdia / SC
CEP: 89700-089
Diretoria
Granjas de Material Genético
50 anos de ACCS
55 anos de ACCS
Relatórios Anuais
Frente Parlamentar
Núcleos e Associações
50 anos ACCS
55 anos ACCS
Rádio ACCS
TV ACCS
Notícias
Links da Suinocultura
Receitas
Newsletter
Agenda de Eventos
Previsão do Tempo
Galeria de Fotos
© - Ideia Good - Soluções para Internet