Suíno Preço Base
Cooper Central Aurora: R$ 3,10
Pamplona: R$ 3,10
BRF (Sadia/Perdigão): R$ 3,00
JBS Foods: R$ 3,10
+ Bonificação de Carcaça (Média da Bonificação 10%)

Ver Histórico

Bolsa de Suínos
Santa Catarina: R$ 3,80
São Paulo: R$ 3,90
Minas Gerais: R$ 4,20
Paraná: R$ 3,75

Ver Histórico

Mercado de Grãos - Santa Catarina
Milho: R$ 35,90 (Referência Copérdia)
Farelo de Soja: R$ 1,20

Ver Histórico

 
Links da Suinocultura
ABCS
ABPA
CANAL RURAL
CEPEA
CIDASC
CNA
EMBRAPA
FAESC SENAR/SC
FATMA
MAPA
MDIC
NOTÍCIAS AGRÍCOLAS
O PRESENTE RURAL
PÁGINA RURAL
PORKWORLD
SAFRAS & MERCADO
SEC. DA AGRICULTURA
SUINO.COM
SUINOCULTURA INDUSTRIAL
TERRA VIVA
 
ou data:
NOTÍCIAS DE MERCADO
12/01/2018 às 8h2
Abertura de mercados e retorno da Rússia vão determinar resultados dos suínos
Brasil deve começar a exportar para a Coreia do Sul e Rússia deve retomar a importação de proteína brasileira
Compartilhe esta notícia:

A expectativa de embarcar, já no início deste ano, os primeiros lotes de carne de Santa Catarina para a Coreia do Sul deixa o setor de carne suína otimista quanto aos resultados em 2018. O país asiático não deve comprar volumes significativos em um primeiro momento, mas a abertura de um mercado reconhecidamente exigente para a carne catarinense pode abrir novas portas.
 
A Rússia, principal comprador do produto brasileiro, também deve retomar a importação. As compras foram suspensas em dezembro, mas depois que o governo brasileiro definiu regras para importação de trigo russo o mercado espera que as relações comerciais se normalizem. Também há uma expectativa de que o Peru comece a comprar carne suína do Brasil. A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) estima exportações 2% a 3% superiores às de 2018. Em 2017, o desempenho estimado é quase estável, com embarque de 3,76 milhões de toneladas, crescimento de 0,7% ante 2016.
 
A Coreia do Sul, quarto maior importador de carne suína, com 615 mil toneladas em 2016, habilitou, no fim de setembro, três unidades catarinenses – uma planta da Aurora, em Chapecó; uma da BRF, em Campos Novos, e outra da Pamplona Alimentos, em Presidente Getúlio. As vendas dependem da finalização de acordos de certificação sanitária entre a Coreia do Sul e o Ministério da Agricultura brasileiro, o que deve ocorrer, segundo a ABPA, no primeiro trimestre.
 
A expectativa é de que os sul-coreanos adquiram 30 mil toneladas de carne suína/ano, o que significaria um incremento de 15% nas exportações catarinenses. Santa Catarina obteve o aval do mercado sul-coreano por ser o único Estado brasileiro com o status sanitário de área livre de febre aftosa sem vacinação, reconhecido pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE, na sigla em inglês). De janeiro a novembro de 2017, embarcou 253,8 mil toneladas de carne suína para países como Rússia, Hong Kong, China, Chile e Cingapura.
 
A Cooperativa Central Aurora Alimentos, uma das principais produtoras de suínos no Estado, também espera os primeiros embarques para a Coreia do Sul no início do ano. O presidente da cooperativa, Mário Lanznaster, evita fazer estimativas sobre o volume de vendas. “A caminhada será longa”, resumiu em um comunicado sobre o comércio com o país. Atualmente, os sul-coreanos são abastecidos por Estados Unidos, União Europeia, Chile e Canadá.
 
Os norte-americanos são os maiores fornecedores, com cerca de 40% das aquisições do país asiático. O presidente da Aurora acrescenta que a carne brasileira terá uma taxação de 20%, enquanto os produtos norte-americano e chileno são isentos. “Vamos iniciar a competição em clara desvantagem, mas, com tempo e persistência, poderemos ampliar a relação de troca, superando essas barreiras e melhorando os termos do acordo comercial.”
 
Quanto à Rússia, a retomada rápida do mercado é crucial. “Se as vendas não ocorrerem até fevereiro, haverá pressão sobre os preços internos”, disse o analista sênior do Rabobank, Adolfo Fontes. A Rússia consome 10% da produção brasileira da proteína. A ABPA aposta na dependência dos russos do produto brasileiro para a solução rápida do embargo. “A carne suína produzida aqui deve ser mais demandada por causa da Copa do Mundo na Rússia”, enfatiza.

Fonte: Dinheiro Rural
 
Comentário
 
      Nenhum comentário para esta notícia!
Deixe seu Comentário para a notícia "Abertura de mercados e retorno da Rússia vão determinar resultados dos suínos"
(*) - Todos os campos são de preenchimento obrigatório.
Seu Nome*:
Seu E-mail*:
(o email não será publicado)
Cidade*:
Estado*:
Comentário*:
  500 caracteres restantes.
Eu li e aceito as regras de publicação de comentários. VER REGRAS

VEJA TAMBÉM - Outras Notícias da Categoria NOTÍCIAS DE MERCADO
16/01/2018 - De Heus planeja 2018 com 30% a mais de faturamento na companhia
A De Heus fechou 2017 com muitos investimentos no Brasil e avanços na tecnologia do segmento agro. Com participação em diversas...
16/01/2018 - Santa Catarina fatura 2,6 bilhões de dólares com exportações de carnes em 2017
Santa Catarina encerrou 2017 faturando alto com as exportações de carnes. Ao todo, o estado embarcou mais de 1,34...
16/01/2018 - México pode vender mais carne suína para os EUA
Todos os estados mexicanos agora podem vender mais carne suína para o vizinho do Norte, informou o Global Meat News, após o...
15/01/2018 - Estudo sobre a Suinocultura Paulista será apresentado nesta segunda-feira
Em busca de detectar possíveis entraves na produção e avaliar a conformidade dos padrões mínimos de qualidade para carne suína, na...
12/01/2018 - ARTIGO: Um retrato do Brasil no cadastro ambiental rural
Informação de qualidade é essencial para conhecer, diagnosticar e planificar o desenvolvimento de qualquer segmento da atividade...
12/01/2018 - EUA: uso de antibióticos na criação de animais diminui, diz FDA
A pressão sobre restaurantes, empresas de alimentos e processadoras de carne para reduzir o uso de antibióticos na criação de aves...
11/01/2018 - SUÍNOS: Para absorver o excedente externo, setor deve ampliar destinos
Estudo do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, indica que o consumo doméstico de carne suína...
11/01/2018 - Funrural tem redução de 40% na alíquota de contribuição
​ O presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária, deputado federal Nilson Leitão (PSDB-MT), autor do PLC 165/2017...
11/01/2018 - Custos de produção serão definidos a partir do milho safrinha em 2018
Os custos de produção de suínos serão definidos a partir do milho safrinha em 2018, é o que aponta a análise divulgada pelo...
10/01/2018 - BRF anuncia nova marca para mercado de alimentos processados no Brasil
A BRF vai começar neste mês o trabalho de venda de sua terceira marca de alimentos processados, apostando em um segmento com preço...
 
 
Rua do Comércio, nº 655
Centro, Concórdia / SC
CEP: 89700-089
Diretoria
Granjas de Material Genético
50 anos de ACCS
55 anos de ACCS
Relatórios Anuais
Frente Parlamentar
Núcleos e Associações
50 anos ACCS
55 anos ACCS
Rádio ACCS
TV ACCS
Notícias
Links da Suinocultura
Receitas
Newsletter
Agenda de Eventos
Previsão do Tempo
Galeria de Fotos
© - Ideia Good - Soluções para Internet